Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

30.5.10




Tes unha frente de Apolo,
i uns ollos tes verde mar;
na miña vida vin outros
de máis hermoso mirar,
pero con eles non fico,
galán, de me namorar.

Que choras... galán, a moitos
cal ora a ti vin chorar;
que morres por min...
a cantos lle oín o mesmo cantar
e inda están vívo-los probes
defuntos que así falar.

Gústanme os teus ollos verdes.
¡Como non me han de gustar!
Gústame, galán, miralos
cando me veñen mirar.
Mais n'hei de ser en quen deles
nin d'outros se namorar.

[Rosalía de Castro]

^^

Um comentário:

Daniel Savio disse...

Mas as vezes este facionio também é encontrado em outras cores, comos os olhos castanhos, olhos azuis e etc...

Fique com Deus, menina xará Danni.
Um abraço.