Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

15.11.10

Pretextos para fugir do Real


A uma luz perigosa como água
De sonho e assalto
Subindo ao teu corpo real
Recordo-te
Ternura quase impossível
De suportar
Por isso fecho os olhos
(O amor faz-me recuperar incessantemente o poder da
provocação. É assim que te faço arder triunfalmente
onde e quando quero. Basta-me fechar os olhos)
Por isso fecho os olhos
E convido a noite para a minha cama
Convido-a a tornar-se tocante
Familiar concreta
Como um corpo decifrado

E sob a forma desejada
A noite deita-se comigo
E é a tua ausência
Nua nos meus braços

Experimento um grito
Contra o teu silêncio
Experimento um silêncio
Entro e saio
De mãos pálidas nos bolsos

[Alexandre O´Neill - Poesias Completas]


^^

3 comentários:

Luna Sanchez disse...

Vou experimentar, flor, vou experimentar.

* Que post bonito, tocante! =)

Beijos enormes!

ℓυηα

Mila disse...

Gostei do teu espaço, me senti diferente quando entrei aqui...
Bjs
MIla

Daniel Savio disse...

Bonito, mas o amor nunca deixa silêncio dentro de nós...

Fique com Deus, menina xará Danielle.
Um abraço.