Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

21.11.09


Como se ontem e os dias antes de ontem
se tivessem desfeito sobre as prateleiras,

como se pudéssemos escrever palavras
nas suas cinzas com a ponta do dedo,

como se bastasse soprar para vermos
as suas imagens de novo, numa nuvem.

[José Luís Peixoto, Gaveta de Papéis]
^^

9 comentários:

Spectrum disse...

Talvez sim. Talvez possamos fazer tudo isso que o Zé Luís parece negar.
Um beijinho, Dani

Marcelo Mayer disse...

vc escolhe tão bem os poemas quanto as imagens. incrível!

Layara disse...

...vemos imagens nas nuvens
escrevemos nas marcas de cinzas...
e o tempo passa e tudo o que precisamos é que o tempo nos diga para que veio...

Beijos e otimo fim de semana!

[lindas escolhas esses versos]

Athila Goyaz disse...

Como se pudéssemos mudar o passado :S

lindo texto!

bjus

Luna Sanchez disse...

Recordar é viver, enfim. Isso nem sempre é bom.

Beijos, flor.

ℓυηα

Beth Cerquinho disse...

Parabéns pelo post
Bjka

Nara disse...

O passado pode ser tão gostoso, né?

Beijo

Daniel Savio disse...

As vezes, é necessário destruir algo para dar espaço a algo novo...

Fique com Deus, menina xará Danni.
Um abraço.

Daniel Savio disse...

Ué, por que sumiu o teu post no A Céu Aberto - da Boca?

Queria ver a tua visão do casamento...

Fique com Deus, menina xará Danni.
Um abraço.