Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

12.11.09

[...]

A sua infância foi um país ocupado por entidades detestáveis que impediam as árvores de lhe falar. (Mais tarde, na adolescência, imaginou que engravidara de um limoeiro – ou foi o perfume do seu sexo que o sonhou, ou foi o perfume do seu sexo que foi sonhado, talvez pelo limoeiro.)

Nunca pôde amuar, como as flores se fecham com a noite. Obrigavam-na a sorrir educada, perfiladamente, espetavam-lhe duas bofetadas e obrigavam-na a levantar a cabeça, a erguer os olhos pesados de choro, e a gordura das lágrimas caía-lhe pela face e ouvia-se no chão.

A sua infância é um país ocupado até hoje.

(A sua vida pareceu-lhe sempre uma longa convalescença. Ou qualquer coisa que lhe foi emprestada. Uma presença emprestada – para quê? A existência parecia-lhe apenas um estado sólido da tristeza mais absoluta. Ou talvez lhe faltasse apenas paciência para viver. Vive por engano? Se morreu, quer saber. Se vive, quer saber. Espera um sinal de si própria. Espera algo que, dentro dela, arda mais alto do que ela. Um signo que, ao erguer-se, toque e faça girar uma constelação.)

[Nuno Rocha Morais]


^^

4 comentários:

Athila Goyaz disse...

Não seja um vejetal...respire e sinta o vento!

hehehe

muito bom o texto!bjus linda!

airlon disse...

palavras que me remeteram ao filme 'o labirinto do fauno'; bjo, saudações musicais...

APS

Luna Sanchez disse...

Uma vida sem parâmetros pessoais é, de fato, vazia.

Muito bom o texto, flor.

Beijo.

ℓυηα

Daniel Savio disse...

Menina, vamos por etapas:

1 - As vezes é necessário uma forma de incentivo mais contudente (quando acabamos ficando presos em nós mesmos);

2 - Todos temos coisas que nos difere, se o outrem não vê a diferença, basta a gente procura-la (em nós mesmos).

3 - Senão se animar, vou obrigar o teu primo a dar o teu endereço e fazer uma visita estilo a máfia com ameaça e tudo(hua, kkk, ha, ha, brincadeira com grande fundo de maldade e no senser, principalmente, dias melhores).

Fique com Deus, menina xará Danni.
Um abraço.