Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

20.2.14

O que existe além do que já foi dito sobre o amor?



Toda minha vida pautada em amores que tive ou gostaria de ter. 
Falando sobre os que tive, também não tenho muito a dizer. Amei e fui muito bem amada. Mas foi um amor, um único amor que veio cruzou minha vida, tocou a minha alma e ficou marcado em minha pele. 
Todos nos carregamos conosco uma história.
Aquela que só nos atrevemos a lembrar, quando durante a noite no escuro, encostamos nossas cabeças no travesseiro e o silêncio cala fundo. 
Não importam os anos, certas coisas simplesmente permanecem. Mas então, numa quinta-feira a tarde de um ano qualquer, tropeçamos nesse amor já supostamente esquecido. 
Percebemos que amor igual não há e aquela pessoa continua e continuará a ser nossa referencia afetiva mais sincera e profunda. 
Não é doença nem obsessão. Alias não é nada, só amor. Amor dos bons, daqueles que são únicos e maravilhosos, que acontecem poucas vezes na vida das pessoas. 
Daqueles amores que ficam e que teremos que conviver com ele como algo concreto e parte de nossas vidas. 
Que alma consegue atravessar a vida sem ter conhecido o amor? 
E quem sabe ter a sorte de ser correspondido? 
Que vida vale a pena sem amor? 
Nenhum sentimento é mais lindo profundo e transformador que o amor. Só o amor transcende e purifica, enlouquece, cura, invade, permanece, liberta e aprisiona. 
Quando acontece é um som grave que penetra invade e permanece. 
Não compliquem e nem elaborem o sentimento mais incrível e poderoso de todos. 
Permitam que ele chegue e se instale. 
Pois, o resto são bobagens meninos, bobagens.


 [Carolina Ferraz]


^^

Nenhum comentário: