Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

19.8.12

O único Poema


No teu corpo é que o poema faz amor,
a dor das casas, o cheiro húmido das pétalas, as flores mais escuras.
quando uma nuvem te atravessa, é que o punhal fere o silêncio,
a morte dança, o mar começa.
no teu corpo é que as palavras carne e água são de carne e água,
os seios bússolas, a noite mágoa.

Se uma faúlha acende um poço de carvão, a vontade irrompe o cavalo do sangue.
É a tua pele que abre os olhos da chuva, a mão do vento, o dia claro.

Se um beijo desperta a ira dos relâmpagos, a manhã desce ao sal da língua, o tempo pára.
Sobre um novelo de palha, os ovos estalam nas estrias delicadas.
Troveja fortemente se o céu diz o teu nome.



[Alice Macedo Campos – in "o ciclo menstrual da noite"]


^^

Nenhum comentário: