Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

23.4.12

Da recinto d'amore


La luna apparve, tonda, e ci distrasse
(nella finestra, in cima alla magnolia),
stavo per dire: "Non sei tu, l'amore.
Io voglio solo prenderti, tenerti
per una eternità che non misuro".
Corsero i giorni, la luna riapparve
(nel vento lieve, sopra la magnolia)
e mi dicesti: "Partirò domani.",
con la voce di chi non vuol ferire,
intanto caccia nel ventre un coltello.


[Elio Pecora]




^^

Nenhum comentário: