Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

4.2.12

A Noite


À noite, quando o calor se mistura com a luz da tv preto e branco
À noite, eu quieto dentro de casa ouvindo rajadas de bala
À noite, fatos ruins do jornal se unem ao meu cansaço
À noite, o mesmo corpo cansadão
As vezes se perde de frente a saída

Mesmo assim eu paro e agradeço
Por eu não fazer do rancor minha vida
Por eu ainda acreditar no poder
Do amor revolucionário e salvador

Amor que me tirou a arma da mão
E me deu mais essa canção


[O Rappa]


^^

Nenhum comentário: