Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

23.10.11

Assim, sem nada feito e o por fazer



Mal pensado, ou sonhado sem pensar,
Vejo os meus dias nulos decorrer,
E o cansaço de nada me aumentar.

Perdura, sim, como uma mocidade
Que a si mesma se sobrevive, a esperança,
Mas a mesma esperança o tédio invade,
E a mesma falsa mocidade cansa.

Tênue passar das horas sem proveito,
Leve correr dos dias sem ação,
Como a quem com saúde jaz no leito
Ou quem sempre se atrasa sem razão.

Vadio sem andar, meu ser inerte
Contempla-me, que esqueço de querer,
E a tarde exterior seu tédio verte
Sobre quem nada fez e nada quere.

Inútil vida, posta a um canto e ida
Sem que alguém nela fosse, nau sem mar,
Obra solentemente por ser lida,
Ah, deixem-se sonhar sem esperar!


[Fernando Pessoa]


^^

3 comentários:

Talita disse...

"O encanto da vida depende unicamente das boas amizades que cultivamos.Só Deus dá a vida mais você pode dar a alegria de viver ."

Uma semana abençoada. Bjsss
ensinameasentirteucoracao.blogspot.com

Luna Sanchez disse...

Às vezes eu gosto da inércia, só quando sinto que ela não está em dominando.

Beijo, Danni.

Luna Sanchez disse...

Corrigindo : me* dominando