Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

13.8.11

Meu



Meu cigarro é o lápis com que rabisco trechos do livro eu o fumo
Meu espelho é o reflexo do cálice que carrego nas mãos eu me vejo
Meu almoço é a unha que cresce no meu dedo indicador eu a devoro
Meu banho é pranto que libero enquanto durmo eu me encharco
Meu terço é o fio do telefone em que me enrosco eu o rezo
Meu albergue é o coração de onde saem meus versos eu me acolho.


[Martha Medeiros]


^^

Nenhum comentário: