Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

29.6.11

Diálogo em alguns Atos - O problema das Metáforas


- Será que você é tão bom como todo mundo pensa?
- Será que você é tão feliz como todo mundo pensa?
- Eu só quero fazer algo que importe.
- Nada importa. Não passamos de baratas, animais morrendo à margem do rio. Nada do que fazemos tem significado duradouro.
- E eu é que sou infeliz?
- Se não está feliz no avião, pule.
- Eu gostaria, mas não consigo.
- Esse é o problema das metáforas - exigem interpretação: Pular do avião é uma idiotice!
- E se eu não estiver em um avião? E se eu estou num lugar em que não queira estar?
- Esse é o outro problema das metáforas... Tá, e se você estiver num caminhão de sorvetes e do lado de fora houver doces, flores e virgens? Você está num avião! Todos estamos. A vida é perigosa, complicada... e a queda é grande!
- Então tem medo de mudar?
- Não. Você tem medo de mudar... Prefere imaginar que pode escapar ao em vez de tentar de fato. Porque se falhar, não sobra nada. Então desiste de algo real e se apega à esperança. O fato é que a esperança é para os maricas covardes...
- Quando sair daqui não terei mais medo. Afinal, quantos caras têm uma segunda chance?
- Oh céus! Vários! E mesmo assim não merecem uma segunda chance.


[Trecho de um episódio da 4º temporada - série Dr.House]


^^

Nenhum comentário: