Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

3.5.11

O jeito em que todas as coisas foram colocadas



instigou-me à vocação selvagem da desordem; estimula-me o pensamento de desmanchar tudo: os sítios nos tempos. Porque a história tem de ser feita ao contrário.


[Herberto Helder]



^^

2 comentários:

valquiria calado disse...

Olá querida amiga, linda poesia essa que nos presenteia. Beijos e boa semana.

Conta as estrelas se puderes.
Sei, de sobra, que não poderei...
Mesmo assim
me delicio
em recomeçar
mil vezes
a contagem impossível
que leva à conclusão de sempre:

"Impossível ser mesquinho
quando se tem, diante dos olhos
cada noite,
milhões de mundos
cantando
a largueza e a generosidade
do Criador e Pai!"
D.H. c.

Daniel Savio disse...

Mas nem sempre ela começa do melhor para pior, mas temos de nos esforçar que o pior vire o melhor...

Fique com Deus, menina xará Danielle.
Um abraço.