Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

2.4.11

Yo te puedo contar cómo es una llama por dentro...

Yo puedo decirte cuánto es que pesa su fuego, Y es que amar en soledad es como un pozo sin fondo Donde no existe ni dios, donde no existen verdades. Es todo tan relativo, como que estamos aquí, No sabemos, pero, amor, dame sangre pa' vivir, Al menos tú lo sabías, al menos no te decía Que las cosas no eran como parecían. Y es que a la primera persona que no me quiera juzgar... [Composição:Alejandro Sanz/ Lulo Pérez] ^^

Um comentário:

Daniel Savio disse...

Bonito, mas alguns amores são realmente o nosso sangue...

Fique com Deus, menina xará Danielle.
Um abraço.