Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

28.3.11

Mente de Computador


Minha memória se apagou.
Deu tilt no meu coração.
Minha cabeça é um computador
com o vírus doido da paixão.

Deu pane no ventilador.
Deu curto na televisão.
A casa inteira tá uma zona, um horror
e a gente nem sai do colchão.

O vírus da paixão
não tá no seu programa.
Tá no meu coração,
vem cá me digitar!


Aperte a tecla Z,
descubra a minha senha.

acende o meu prazer,
me mostra o que é amar
porque eu quero conhecer!

Minha mente ainda não computou,
mente de computador,
para mim sim é sim e não é não.
Sentimento de computador,
não consta e nem nunca constou.
Explica o que eu tô sentindo.

Minha memória se apagou.
Deu tilt no meu coração.
Minha cabeça é um computador
com vírus doido da paixão.

Pra quem quiser fazer amor,
o novo sexo virtual.
Meu corpo simulado ao computador,
não tem perigo e não faz mal.


[Jorge Vercilo]


^^

Nenhum comentário: