Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

20.2.11

Não consigo odiar ninguém...


Não quero seduzir teu coração turista
Não quero te vender o meu ponto de vista
Eu tive um sonho e há muito não sonhava
Lembranças do futuro que a gente imaginava
Nem sempre foi assim, outro mundo é possível
Pode até ser o fim, mas será que é inevitável?

Não vá dizer que eu estou ficando louco
Só porque não consigo odiar ninguém
Do goleiro ao centroavante, do juiz ao presidente
Eu não consigo odiar ninguém

O tempo parou, feito fotografia
Amarelou tudo que não se movia
O tempo passou, claro que passaria
Como passam as vontades que voltam no outro dia

Eu tive um sonho, o mesmo do outro dia
Lembranças do futuro que a gente merecia


[Composição: Gessinger/Fonseca/Ayala/Aranha/Pedro A.]


^^

2 comentários:

ANGEL disse...

Hum! Gostei de seu blog! Belas palavras! Gostaria que conhecesse o meu também! TDB!

Bjoss

Daniel Savio disse...

Bonito, mas sempre queremos seduzir algum coração, para que ele se torne o habitante dentro do nosso próprio coração...

Fique com Deus, menina xará Danielle.
Um abraço.