Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

1.1.11


Apetece por vezes com os dias morrer por um pequeno
instante e deixar os fogos soltos na areia. Acrescentar
água à face e perturbar os sentidos
em busca da única
luz ou então sentir os movimentos e escrever a uma

amiga. Dizer assim como quem fala: que espécie rara
de deus é o teu? A vida é ficar abraçado às dunas
apenas se há dois braços de areia por quem sonhar.

Vir então aos poucos contando os mastros do verão
cumprindo o desejo das cartas de mar e assim mesmo
confundir todos os relógios da rota apenas para ter

mais tempo para ficar
. O resto é saber o alfabeto de
cor até ao fim para que as palavras vão nascendo
devagar até ser sonho no sono dos dias
ou ser sono
dentro de mim
.

[João Luís Barreto Guimarães]


^^

Nenhum comentário: