Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

29.11.10

A súbita Revelação da Fragilidade Humana


As rotinas do trabalho ocultam a nossa verdade. Mas elas não podem impedir nem que a tarde chegue, com suas cores de adeus, e nem que o outono chegue(...). Se prestarmos atenção e ouvirmos o que nos dizem, ficaremos sábios. Por que sabedoria é isto: contemplar o Abismo, sem ser destruído por ele.

[Rubens Alves - O retorno e terno]


^^

3 comentários:

Malu disse...

Entre a luz difusa das tardes crscem os espaços para as meditações...
Adorei a postagem.

Luna Sanchez disse...

Uhun, saber do perigo e assumir riscos calculados. Isso é ser "gente grande".

;)

Beijocas, flor!

ℓυηα

Daniel Savio disse...

Mas alguns abismos pode ocultar coisas maravilhosas, como as flores que acabam sendo enraizando no pricipicio...

Fique com Deus, menina xará Danielle.
Um abraço.