Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

16.11.10


Para que o encontro se prolongue
na ausência do nosso cruzar
de dedos,
há uma celebração quotidiana
do teu nome fora da minha boca.
Chamo-te como se de perto
me ouvisses, é só um murmurar
fugidio para que aqui te quedes.

[Lidia Martinez, Um adeus perfeito]


^^

4 comentários:

mARa disse...

...imagem linda, uma poesia completada com letras e sentimentos. Maravilhoso!

beijo!

Namastê!

Rita da Maçaroca disse...

Bonita escolha de texto :)

Daniel Savio disse...

Bonito, mas penso que seja no coração que o nome acabe chamando mais...

Fique com Deus, menina xará Danielle.
Um abraço.

Luna Sanchez disse...

Detalhes, vãos, espaços pequenos e grandes feitos...adoro isso!

Beijos, flor! Ótima quarta!

ℓυηα