Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

5.7.10

Os troncos das árvores


Os troncos das árvores doem-me como se fossem os meus ombros
Doem-me as ondas do mar como gargantas de cristal
Dói-me o luar como um pano branco que se rasga.

[Sophia de Mello Breyner Andresen]


^^

2 comentários:

Insana disse...

Que o sussurrar do vento te deixe plena.
bjs
Insana

Daniel Savio disse...

Mas nem sempre deveria doer...

Fique com Deus, menina xará Danni.
Um abraço.