Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

25.4.10

As Aparências Enganam


O admirável filósofo grego Platão (viveu de -428 a.C. até -348 a.C.) conta-nos que quando os homens viviam nas cavernas ainda temiam a natureza e seus fenômenos. Por isso, viviam trancafiados, procurando apenas solucionar seus problemas básicos de subsistência. O mito da caverna encontra-se no livro de Platão intitulado “A República”.

“Imaginemos um muro bem alto separando o mundo externo e uma caverna”. Na caverna existe uma fresta por onde passa um feixe de luz exterior. No interior da caverna permanecem seres humanos, que nasceram e cresceram ali.
Ficam de costas para a entrada, acorrentados, sem poder de locomoção, forçados a olharem somente a parede do fundo da caverna, onde são projetadas sombras de outros homens que, além do muro, mantêm acesa uma fogueira.
Os prisioneiros julgam que essas sombras sejam a realidade.
Um dos prisioneiros decide abandonar essa condição e fabrica um instrumento com o qual quebra os grilhões. Aos poucos vai se movendo e avança na direção do muro e o escala, com dificuldade enfrenta os obstáculos que encontra e sai da caverna, descobrindo não apenas que as sombras eram feitas por homens como eles, e mais além todo o mundo e a natureza.”


E o que tem a ver o Mito da Caverna com o post de hoje? Eu respondo: TUDO.

Muitas pessoas ao sentar na frente de seus monitores, acreditam que o mundo virtual é puro e verdadeiro. Acreditam em tudo que leem. Acham que as pessoas são o espelho daquilo que escrevem. Eu comparo a internet com a parede no fundo da caverna, onde são projetadas muitas sombras, imagens, mensagens ou seja, um mundo de ilusões. Quem projeta essas sombras são os(as) blogueiros(as) ou titulares de sites de relacionamentos. Os leitores são os prisioneiros que leem as fantasias, mensagens, sonhos e ilusões...
É claro que, existem pessoas que fazem de seus blogs um diário pessoal, e escrevem, realmente, tudo aquilo que sente, suas experiências no seu mundo real e projetam para nós leitores, o que realmente acontece em suas vidas. Existem aqueles que escrevem sobre política, economia, saúde, culinária, artes, acontecimentos do dia-a-dia,... ou seja assuntos impessoais, ou fazem desses assuntos impessoais, suas opiniões pessoais... ou seja, tem de tudo um pouco nesse mundo virtual.


Mas a pergunta é: Como saber o que é REAL ou VIRTUAL?

Eu por exemplo, na minha página de relacionamento,(o orkut) coloquei que moro na Espanha. Quem não me conhece, pode até acreditar, e nunca imaginar que a Espanha é o lugar que eu pretendo conhecer, e por isso eu "projetei esse sonho como se fosse realidade". Se eu quiser colocar que moro na Conchinchina eu coloco e pronto. Até por que, o orkut é meu, e eu escrevo o que eu quiser. Posso até colocar uma foto da Angelina Jolie e dizer que sou a esposa do Brad Pitt. E daí? ¬¬
O que não pode acontecer, mas acontece, são as pessoas acreditarem em verdade verossímel. Acharem que sabem tudo sobre nossas vidas, nossa personalidade, nossa intimidade, nossos sentimentos, pelo que está num site de relacionamento ou num texto de um blog. Mas, infelizmente, tem gente que acredita. Alguém me explica: como pode ser? Tsc,tsc, tsc,...
Será que as pessoas são tão ingênuas a esse ponto? Seria carência? Ignorância? Imaturidade? Ou falta de noção, mesmo?


Assim são os blogs, caros leitores. Quem foi que disse que tudo que escrevo são experiências vividas por mim? São pensamentos e sentimentos meus? E se for a história da vizinha? Do bêbado ali, no bar da esquina? Do colega de trabalho? Da prima distante? Do paciente esquizofrênico do hospital psiquiátrico em que estagio? Quem garante que este texto é meu? Quem garante que este blog existe? Quem garante que eu existo? Quem garante que tudo não passa de um sonho? Ou de uma imagem projetada num fundo da caverna?

As aparências enganam, e para não se iludir, o bom leitor deve ser questionador, deve ser aquele que consegue ler nas entrelinhas e sabe filtrar as informações que mais lhe apetece. Sabe diferenciar o mundo real do mundo virtual. Portanto, eu peço: Liberte-se da caverna que lhe aprisiona. Pare de se enganar. Existem vidas reais fora da caverna. E não idealize as pessoas baseando-se naquilo que elas escrevem. Em casos mais graves, eu diria até, patológico: Não julgue, muito menos rotule.
...
Acorda pra vida.
Fantasias são apenas fantasias, e só.

^^

2 comentários:

END disse...

Opaa Danni, boa noite Moa

gostei da postagem de hoje
conheço bem o mito da caverna
bacana seu modo de ver o mndo virtual e o real
comparação perfeita

tenha um domingo lindo

beijos

Daniel Savio disse...

Vim de lá...

Fica com Deus, menina Danni.
Um abraço.