Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

24.3.10


Tu disseste para eu guardar o silêncio neste quarto. Para que nada dissesse, nem o teu nome. O teu corpo ondulava e eu aceitei a ausência. Disseste para eu nada pedir, para não nomear, não ter nenhuma palavra, nem exclamação, nem sorrisos, para não estar morta também. Para te responder com as mãos, silenciosas, os dedos a baterem-te como a chuva, tão de leve.

Estás suspenso, leve e suspenso e quente, portanto vivo, que surpresa! Só te envolves no berço, sem palavras, como antes delas, com o rosto amado a devolver-te um sinal de reconhecimento. Voltas a fechar os olhos, aninhas-te nos meus braços como se não me visses nunca, como se eu não existisse fora desse abraço por dentro. O meu cheiro como uma palavra acariciando a criança em ti, toda, e a curva da nuca abandonada. O peso tímido da tua cabeça a furar-me a pele, a quebrar-me o peito. Mordes a memória do leite, mexes os lábios, dói-me a secura. Não digo nada, o queixume é já desejo. Tem de ser plano e eterno este tempo, como se a morte pudesse roubá-lo se o dissesse. Não me pedes nada, e nem ousas a violência.

Ocultas tudo para que seja como antes do sono, um mergulho lento, desmembrado, com a aprovação de todos. Os lábios são doces, não procuram, conhecem a felicidade, provam com a língua, provam mais, redondos, enrolados, enormes como o quarto, com a cama que se afunda e nos leva, líquidos, desfeitos um no outro, numa celebração comum, silenciosa, não nomeada. Um abraço sem gestos, só um equilíbrio ténue, frágil.

Escorregamos sem esforço, não sei onde caímos, é a tua memória que nos guia, é o meu silêncio, todo o consentimento e o dom do teu acolhimento para que tudo aconteça longe daqui, sem eu nunca saber onde me levas e vou.

[Lídia Martinez, Um adeus perfeito]


^^

6 comentários:

Daniele.. disse...

Não ha melhor hora para pensarmos na pessoa amada, do que de noite.. Quando tudo esta em silêncio...


Beijo ♥

Luna Sanchez disse...

"...desfeitos um no outro..."

Ui!

Adorei isso, me fez lembrar de alguém.

Beijo, querida.


ℓυηα

Maria disse...

Como sempre post expectacular.

Não me squeci de você amiga....




Beijocas gordas....

Sempre que andar por aqui passe por cá..
Beijjjjjjjjjjjjjj

Maria disse...

Como sempre post expectacular.

Não me squeci de você amiga....




Beijocas gordas....

Sempre que andar por aqui passe por cá..
Beijjjjjjjjjjjjjj

Moni disse...

A entrega, a cumplicidade,a reciprucidade.
é lindo,so não gosto do esquecimento.


bjos adorei o post
parabens

Daniel Savio disse...

Menina, por mais que o sentimento seja incrive, muita vezes temos de mata-lo para sermos felizes, pois o tempo com ele já passou...

Fique com Deus, menina xará Danni.
Um abraço.