Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

11.11.09

Cemitério dos Poetas...


Há pessoas que põem palavras nos nossos sentimentos. Parecem-se com os poetas. Mas depois, de surpresa, abandonam os nossos sonhos pé ante pé ou de pantufas. Não sei... Na verdade, decepcionam-nos (devagarinho) e, quando damos por isso, apagam-se dentro de nós. Deixam de ser preciosas e, por tudo o que valeram. Partem, portanto, para uma terra de ninguém, muito distante do sítio onde vivem os génios da lâmpada, o Pai Natal, as fadas e os duendes. E por lá ficam. Mais ou menos errantes.

Imagino esse lugar, onde se acotovelam tantas pessoas que nos disseram tanto, como um Purgatório, com a particularidade de lá não se ser promovido, com facilidade, até ao Céu. É verdade que essas pessoas não se transformam num inferno dentro de nós, embora, por vezes, surjam, ora como um vulto ora como uma silhueta ou, até mesmo, como uma estrela cadente que, atravessando o nosso coração, já não provoca um arrepio (muito menos, um calafrio, que são aqueles sentimentos impetuosos que nos desabotoam a cabeça e nos deixam a arder de paixão e a tremer de medo, ao mesmo tempo).

Afinal, não são nem amigos nem amores. Transformam-se num museu? Numa arqueologia de todos os amores, por exemplo? Às vezes, nem nisso. Infelizmente. Se fosse assim, estáticas ou em pequenos pedaços de histórias, empoeirados, seguravam-se no nosso coração. O que não acontece às pessoas que foram perdendo a magia...

Este não sei para onde (eu sei que, dito assim, custa só de pensar) é uma espécie de cemitério de poetas dentro de nós. Um lugar de silêncio que convida a espreitar para o que sentimos. Com surpresa e com dor, ao descobrirmos que, ao contrário do que sempre desejámos, há relações — luminosas — que foram morrendo para nós. Às vezes, assusta. Afinal, não é simpático descobrirmos que mora em nós alguém que, não sendo o Capitão Gancho, tenha ajudado a morrer (de inanição, por exemplo) quem trouxe poesia, ou luz, ou um insustentável rebuliço ao que sentimos... Às vezes, atormenta. Porque magoa descobrirmos que — mesmo quando nos imaginamos a dar a sala mais espaçosa do nosso coração — também nós, dentro de algumas, vivemos sem viver, errantes, nesse não sei onde de alguém, entre os seus amigos e os seus amores. Às vezes ainda, somos tocados pelos galanteios da vida e, levados pelo entusiasmo, imaginamos que, se desejarmos com muita força, algumas das pessoas que guardamos no nosso cemitério de poetas ressuscitam e regressam, cheias de luz, para surpresa do Pai Natal ou das fadas (que, sendo mágicos, parecem viver num mundo de bolas coloridas de sabão). Eu sei que também entre as pessoas há quem pareça mágico mas intocável. Como eles. Mas não se esqueça: esse é o cais de embarque que, de surpresa, nos pode levar (sem volta) para o cemitério dos poetas.

[Eduardo Sá]

^^

6 comentários:

Franzé Oliveira disse...

O desprezo das palavras bem estilo surreal. Texto mágico, um texto psicológico. Bem desenhado. Renova os nossos valores artístico. Um sonho interessante. Um estado de espririto. A expressão "cemitérios de poetas" soa irracional e belo.

Gostei do texto.
Abraços.

Lelli Ramz disse...

Olá....

onte fiquei pensando.. e s eu morrer? pra onde vão meus segredos???


para o mesmo universo das canetas bic e isqueiros???


e as notas de um real? será q valem tantooo??

enfim.. acho q os poetas tb estão lá, neste universo.. mas os meus estão vivos...


e não m decepciono

só entendo q alguns tem prazo de validade e eh a vida!


bjinhus, poetas e cemitérios

Lelli
ah vota em mim no http://minicontosperversos.blogspot.com/2009/10/concurso-fotografico-mcpmate-5.html

Marcelo Mayer disse...

texto que em remete ao passado, e por isso penso melhor no futuro.

Maria disse...

Passando para te ouvir, e desejar que caminhes sempre com um grande sorriso acreditando no futuro...

:)) Beijjjjjjjjjjj com muito carinho

Luna Sanchez disse...

Esse texto é um convite para voar, Dannizinha.

Dois beijos,

ℓυηα

Daniel Savio disse...

Menina, todos tem o seu tempo na vida, seja como amigos, inimigos, ficantes, namorados, ou simplesmentes ex...

Então não se preocupe com a validade do pessoal na tua vida, apenas faça que os momentos que tiveram juntos valham a pena.

Fique com Deus, menina e xará Danni.
Um abraço.