Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

3.10.09

Abri curiosa
o céu.
Assim, afastando de leve as cortinas.
Eu queria rir, chorar,
ou pelo menos sorrir
com a mesma leveza com que
os ares me beijavam.
Eu queria entrar,
coração ante coração,
inteiriça,
ou pelo menos mover-me um pouco,
com aquela parcimônia que caracterizava
as agitações me chamando.

Eu queria até mesmo
saber ver,
e num movimento redondo
como as ondas
que me circundavam, invisíveis,
abraçar com as retinas
cada pedacinho de matéria viva.

Eu queria
(só)
perceber o invislumbrável
no levíssimo que sobrevoava.

Eu queria
apanhar uma braçada
do infinito em luz que a mim se misturava.

Eu queria
captar o impercebido
nos momentos mínimos do espaço
nu e cheio.

Eu queria
ao menos manter descerradas as cortinas
na impossibilidade de tangê-las.

Eu não sabia
que virar pelo avesso
era uma experiência mortal.



[Ana Cristina César]
^^

5 comentários:

meus instantes e momentos disse...

Lindo, lindo.
Parabens pelo post.
Muito bom.
Maurizio

Dil Santos disse...

Menina, perfeito o poema.
Lindíssimo mesmo, amei.
Um balé de delicadeza e sensibilidade das palavras.

Bjos
:)

Blue disse...

Eu queria tanto abrir também minhas janelas,
para o sol poder entrar.
Mas com toda esta chuva,
só tenho lágrimas aqui dentro de minha casa.
Será que é isso mesmo que eu quero?
Só sei que eu queria também...
Mas não sei o quê!

Beijos

E.Rakowski disse...

Adoro tuas fotos!!
teu blog é muito "lindo".


Beijo.

Luna Sanchez disse...

Tocar o imperceptível : existe coisa mais sedutora?

Rs

* Linda composição do texto com a imagem. Sou fã, não tem jeito! \o/

Beijo, amiga! ^^

ℓυηα