Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

15.9.09



As frésias desprendem o perfume
ao fim da tarde. Nesta casa
está tudo limpo e silencioso.
Sentada no sofá escrevo
ao pensar que te entreguei
o meu nome, alguma biografia,
a intimidade.

O sol vai e vem, conforme
as nuvens permitem. Sinto-me
talvez cansada, exausta
de desgosto pela tua partida.
Há um torpor, uma sonolência
e as minhas canetas,
o caderno. O amor sempre
presente.
Não devia lamentar-me,
tenho tudo e, no entanto,
ficou-me um buraco negro
no coração.

[Isabel de Sá, Repetir o poema]

^^

Um comentário:

Luna Sanchez disse...

É "a falta que a falta faz", enfim.

( * Como diria a Nara, dona de um blog ótimo, também, com esse título).

Beijo,

ℓυηα