Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

30.8.09

*Por Ti

Por ti encheria o quarto de rosas
se ontem tivesses vindo de rosa

Pus a música de Puccini
a fruta toda brilhante
os lençóis de neve
a almofada aberta como gostas, em forma de ostra.

O espelho reteve a memória do
primeiro momento. Ele próprio restauro da tua pele solar.

Também ele litoral ardente
mordendo-te a nuca em pontadas de mel.
Também ele cúpula da minha saudade húmida.
Cópula madura de tanto esperar.

Por ti tudo teria sido rosa
se ontem quando me invadiste o quarto
o teu sexo trouxesse rosas.

[Isabel Mendes Ferreira, A pele]

^^

2 comentários:

Luna Sanchez disse...

Esse não cabe nas palavras. Aliás, sempre acho que é até um pecado querer acrescentar algo à essas palavras que falam tudo, que calam um tanto mais, que fazem pensar acolá...

Delicadeza pura, Danni. ^^

Beijo,

ℓυηα

Abstrata disse...

Que maravlhoso poema


beijinhos