Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

14.8.09

[?]

Como posso eu amar-te, se nem sei
como à porta te chamam os vizinhos,
nem visitei a rua onde nasceste,
nem a tua memória confessei.
(?)
Que vaga rima me permite agora
desenhar-te de rosto e corpo inteiro
se só na tua pele é verdadeiro
o lume que na língua se demora...
(?)
Não deixes que te enganem os recados
na infernal gazeta publicados
que te dão já por escultura minha;
nocturno frankenstein, em vão soprei
trombas de criação, e foste tu
quem me criou a mim quando quiseste.

[António Franco Alexandre]

^^

3 comentários:

Vampira Dea disse...

Já tive um amor assim...

FabyFlor disse...

Que bom que você gostou, o seu blog é lindo, encantador!
Vou estar sempre dando uma olhadinha nele!
Volte sempre no meu tá ?

Luna Sanchez disse...

Danni,

Já passei por isso. Não teria passado, se pudesse escolher, e não quero passar de novo...que o acaso me proteja!

* Deixei um selo pra ti, nesse link :

http://coleccion-recuerdo.blogspot.com/

Beijos,

ℓυηα