Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

8.7.09

A promessa de uma história a que possa chamar minha.


Vesti-me de preto. E os meus olhos, como duas janelas, também. O plano? Esquecer o calafrio dos silêncios súbitos e doridos. Arejar a casa; limpar as memórias dos momentos mais tristes. Vasculhei um armário cheio de coisas escuras e antigas, tirei as mais improváveis – um cheiro a terra molhada [único vício destes olhos lacrimejantes] e um sentimento vadio. O passado surge-nos sempre como um fantasma atento em tons melancólicos. Talvez quando pensamos demais. Mas o sol incide cintilante sobre mim. Culpa minha. Fecho os olhos e devolvo-lhe esta vontade efémera de querer agarrar as covinhas fundas de um sorriso. Paredes brancas, inundadas de luz, e o som claro e firme do relógio: o quarto ainda conserva os meus segredos? De repente, o armário fechou-se. Em redor, o ar errante a chamar a atenção. Procuro incessantemente qualquer coisa: a promessa de uma história a que possa chamar minha. Não mais pessoas como bonecos recortados em papel. Porque tudo pode mudar (n)um dia, dizem. Haja coragem.
[Vanessa Sousa]

^^

Um comentário:

Luna Sanchez disse...

Danny,

O recomeçar pode acontecer a cada dia, a cada estação, a cada ano, ou apenas a cada vida. Acho que quanto mais presente, mais plenamente vivemos.

ℓυηα