Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

16.5.09

Exército De Um Homem Só

"Não importa se só tocam o primeiro acorde da canção -
A gente escreve o resto em linhas tortas nas portas da percepção, em paredes de banheiro, nas folhas que o outono leva ao chão.
Em livros de história seremos a memória dos dias que virão(se é que eles virão)
.
Não importam se só tocam o primeiro verso da canção -
A gente escreve o resto sem muita pressa, com muita precisão. Nos interessa o que não foi impresso e continua sendo escrito à mão, escrito à luz de velas, quase na escuridão, longe da multidão.
.
Somos um exército(o exército de um homem só) no difícil exercício de viver em paz.
Somos um exército(o exército de um homem só) sem bandeira, sem fronteiras pra defender...
.
Não importa se só tocam o primeiro acorde da canção -
A gente escreve o resto e o resto é resto: é falsificação. É sangue falso bang-bang italiano, suíngue falso, turista americano. Livres dessa estória a nossa trajetória não precisa explicação(e não tem explicação)
.
Não interessa o que o bom senso diz, não interessa o que diz o rei, [se no jogo não há juiz não há jogada fora da lei] não interessa o que diz o ditado, não interessa o que o estado diz, nós falamos outra língua moramos em outro país.
.
Somos um exército(o exército de um homem só) sem bandeira, sem fronteiras para defender...
Nesse exército,(o exército de um homem só) todos sabem que tanto faz ser culpado ou ser capaz... tanto faz ..."
.
[Composição: Humberto Gessinger]

^^


Nenhum comentário: