Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

13.5.09

(...)

"Surge o teu corpo
como uma cilada violenta,
a tua presença desejada
e um incêndio
que eu não apago.

Tu vives
na natural harmonia
do teu corpo,
na sua pujança doce,
a eloquente imagem
que me atrai
porque em ti
está um outro
para além de mim.

A tua serena presença
está falando ao corpo,
aos olhos.
A memória é uma devastação
nestes campos
onde não há trigo
e o pão é infinitamente ardente,
como um deus
que nos faltasse
e nós o invocássemos
para nos secar a dor."

[José Luis Monteiro]

^^

Nenhum comentário: