Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

23.4.09

E quanto a mim

"Escutei alguém abrir os portões
Encontrei no coração multidões.
Meu desejo e meu destino brigaram como irmãos
E a manhã semeará outros grãos.
Você estava longe, então
Por que voltou?
Seus olhos de verão
Que [não] vão entender?!
E quanto a mim, te quero, sim
Vem dizer que você não sabe?
E quanto a mim, não é o fim
Nem há razão pra que um dia acabe...
Cada um terá razões ou arpões
Dediquei-me às suas contradições, fissões, confusões...
Meu desejo, seu bom senso, raivosos feito cães
E a manhã nos proverá outros pães.
Somos dois contra a parede e tudo tem três lados
E a noite arremessará outros dados...

E quanto a mim, te quero, sim
Vem dizer que você não sabe?
E quanto a mim, não é o fim
Nem há razão pra que um dia acabe.
Você estava longe, então
Por que voltou?"
.
Seus olhos de verão
Já me entenderam...


^^

3 comentários:

Felipe disse...

Olá moça, muito obrigado :D
Sempre que posso dou uma espiada por aqui, embora não comente todas as vezes.
Gostei muito dessa sequência de fotos que fizestes, é de qual clip? Só sei que alí é a Amy.
Um ótimo fim de semana pra ti.

Beijo!

;)

Tetê disse...

oi, linda!!!!
cada vez melhor, hein???
bjus de boa semana neste coração lindo
!!!

°•~ ∂ąnnι °•~ disse...

Oi Tetê!!

Vc tá sumida.
Obrigada mais uma vez.


=)