Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

2.4.09

Sobre a minha incapacidade de expressão


"...talvez o amor não seja mais do que um certo silêncio.
os teus passos ao lado dos meus,
um fim de tarde num jardim do Porto,
confissões gravadas em troncos de árvores
e a certeza de que se da minha boca fechada há muito tempo
não ouves a palavra, posso ao menos desenhá-la nas tuas costas
enquanto me abraças e olhamos o rio em frente."
^^

Nenhum comentário: