Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

8.4.09

O Haver

"Resta, acima de tudo, essa capacidade de ternura.
Essa intimidade perfeita com o silêncio.
Resta essa voz íntima pedindo perdão por tudo.
.
Resta essa imobilidade, essa economia de gestos.
Essa inércia cada vez maior diante do Infinito.
.
Essa gagueira infantil de quem quer
exprimir o inexprimível.
Essa irredutível recusa à poesia não vivida.
.
Resta esse diálogo cotidiano com a morte.
Essa curiosidade pelo momento a vir, quando,
apressada, ela virá me entreabir a porta
como uma velha amante
mas recuará em véus ao ver-me junto ao bem amado...
.
Resta esse constante esforço
para caminhar dentro do labirinto.
Esse eterno levantar-se depois de cada queda.
Essa busca de equilíbrio no fio da navalha.
.
Resta essa terrível coragem diante do grande medo,
e esse medo infantil de ter pequenas coragens."

[Vinícius de Moraes]


^^

2 comentários:

Nuno Veras disse...

GRANDE VINICIUS!!!!

Tetê disse...

danninha!!

bom feriado pra vc!

bj no coração
!