Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

4.4.09

Determinismo X Livre-arbítrio

A Fábula da Solidão
.
"...As últimas coisas por fim. Um dedo que nos alcança todas as feridas e esta paragem cardíaca para pensar. O nosso rosto que se quebra como gelo. O nosso rosto a explodir sob o sol. Ter de escolher entre todas as coisas, as últimas. E abrir o cérebro como quem espreita dentro das flores que deixamos apodrecer nos vasos de casa. A qualquer instante podemos estar ainda mais longe. Sem ninguém onde entrar. Sem ninguém que nos soletre o nome. Nesse momento podemo-nos esquecer de nós. Deixar as nossas entranhas a secar no estendal, como se fossem uma qualquer roupa interior. Os sentimentos são – às vezes – estas meias que já não nos servem há muito.
.
Em cima de cada cabeça humana estão janelas abertas para todas as outras cabeças humanas. Que não se enganem, são abismos. Cada cabeça humana tem os seus próprios animais insondáveis. Por isso existe a solidão de cada homem. Por isso nunca chegarei a amar-te por inteiro. E por isso tremes quando te mostro o meu corpo cinzento que te será sempre incompreensível. Tal como tremerias diante do teu, se olhasses bem dentro dos espelhos, quando estes mostram mais do que a possibilidade primeira.
.
Todos nós temos alguém que perdemos e que nunca chegamos a conhecer. Porque há guerras que se fazem demasiado longe para darmos a vida àquele que perdemos e que nunca chegamos a conhecer. Porque ele podia ser qualquer um de nós. Podias ser tu e aí eu jamais teria amado, porque serias aquele que perdi e que nunca cheguei a conhecer.
.
Todos nós somos os livros que alguém deixou por abrir."
.
[Ana Salomé]

^^

Um comentário:

Ivan Mota disse...

A eterna guerra filosófica que opõe filósofos, físicos e matemáticos. A Livre-Vontade e o Determinismo. Respostas nenhumas, dúvidas muitas.