Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

17.2.09

Parte de mim...


Que parte de mim ecoa por aí nas palavras de andar atrás de tudo?
Que parte de mim te encontra sem te ver sem te encontrar por sempre te perder?
Que parte de mim existe fora de nós no dilúvio do grito solto e mudo?
Que parte de nós permanece passado de novo riso, fonte da água a chover?

Que parte parte? Que parte fica?
Pobre, fútil, rica?
Que parte brota? Que parte arde?
Se tudo é tão cedo e tão tarde...
^^

Nenhum comentário: