Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

10.1.09

Poesia linda de Mário Cesariny de Vasconcelos



"Ontem
às onze
fumaste
um cigarro
encontrei-te
sentado
ficamos para perder
todos os teus elétricos
os meus
estavam perdidos
por natureza própria.

Andamos
dez quilômetros
a pé
ninguém nos viu passar
exceto
claro
os porteiros
é da natureza das coisas
ser-se visto
pelos porteiros.

Olha
como só tu sabes olhar
a rua os costumes.

O público
o vinco das tuas calças
está cheio de frio
e há quatro mil pessoas interessadas
nisso.

Não faz mal abracem-me
os teus olhos
de extremo a extremo azuis
vai ser assim durante muito tempo
decorrerão muitos séculos antes de nós
mas não te importes
não te importes
muito
nós só temos a ver
com o presente
perfeito
corsários de olhos de gato intransponível
maravilhados maravilhosos únicos
nem pretérito nem futuro tem
o estranho verbo nosso."

[Mário Cesariny de Vasconcelos]

^^

Um comentário:

Munique disse...

Danni,

Fico sempre assim, sem palavras.
Literalmete, "no limite das palavras".

Bjs!

Munique