Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

5.1.09

O que fazer?

 
 
A dor da palavra voltou, e eu sem saber o que fazer dela... sangrei.

^^

Um comentário:

Tecnenfermaginando disse...

Não, Querida, suas palavras ditas não sangram... exalam perfumes, deliciosos...

Refaça o percurso.

Poesia é alegria!

E isto, vcs aqui, fazem mto bem!