Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

18.12.08

Como os poemas

"Soletrar devagar todas as sílabas
no gosto compassado de contar
uma história com seus fonemas lentos
seus milhafres pousados no crepúsculo
suas casas de brancos teoremas.

Alentejo devagar.
Como os poemas."

[Manuel Alegre]
^^

Nenhum comentário: