Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

18.12.08

(...)

'Aproxima-te!
Chega-te à luz do candeeiro das palavras e le-me vagarosamente como quem enrola a língua noutra língua, uma página noutra página.
Percebes agora a canção que me vai nos lábios?
Não me deixes reticências sobre a pele.'
^^

Nenhum comentário: