Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

6.12.08

Arrumei a mala e parti

"Arrumei a mala e parti para o país dos sonhos. Lá, eu posso ver o pôr-do-sol sempre que quero e quando me encostam à parede é sempre para pedir um beijo. Lá, pego no meu carro amarelo e parto em direcção ao horizonte, enquanto canto em voz alta canções que me lembram de ti. Lá, choro apenas quando a alegria é demasiada ou quando me dizem palavras bonitas. Arrumei a mala e parti para o continente feito de algodão doce. Lá, não preciso de procurar a saída de emergência, porque não há nada de que fugir. Lá, as paredes estão cheias de frases vazias e sem sentido, porque a linguagem dos apaixonados é sempre irracional. Lá, não me perco a ler tabuletas com direcções, porque os caminhos são percorridos dentro de mim e eu já não me perco.Arrumei a mala e parti para o mundo da esperança e dos pequenos milagres. Lá, os jornais são feitos de chocolate e dizem apenas coisas que me fazem sorrir. Lá, carrego no botão do comando e vejo o canal das emoções. Lá, as fotografias não existem, porque os momentos bons duram para sempre. O tempo, sou eu que o controlo e as fotografias são apenas auto-retratos dum ego machucado que quer apenas que digas: 'És linda'. Mas não vivo nesse país, nesse continente, nem sequer nesse mundo. E neste universo onde vivo, preciso me cobrir com as máscaras que te fazem sorrir. E eu queria que soubesses gostar de mim sem ser às escuras.
Arrumei a mala e parti. Pelo menos por agora."
^^

Nenhum comentário: