Dizem que finjo ou minto tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto com a imaginação. Não uso o coração.
Tudo o que sonho ou passo, o que me falha ou finda, é como que um terraço sobre outra coisa ainda. Essa coisa é que é linda.
Por isso escrevo em meio do que não está ao pé, livre do meu enleio, sério do que não é. Sentir, sinta quem lê! [Fernando Pessoa, in "Cancioneiro]

20.12.08

Acho que preciso de um coração novo

Um coração com menos entulho, menos barulho. Com menos destroços. Com menos braços desfeitos, menos unhas cravadas - se possível sem quaisquer despojos impróprios. Preciso de um coração maior. Quanto mais pequeno fica, mais lixo acumula. Queria um coração novo e muito grande, cheio de ar e de sorrisos embalsamados, cheio de uma resignação feliz, sobretudo sem ódio, e sem qualquer chama que se alimentasse do seu oxigênio. Queria um coração insuflável, para que pudesse abrir o peito e ordenar: chutem-no, pisem-no, esmagem-no, à vontade, e, no fim, triunfante, anunciar sorrindo: vejam sacanas - este coração nem de felicidade há de rebentar.

^^

Um comentário:

Letícia disse...

Danni,
Quem dera se as pessoas tivessem 1/3 do seu coração...
Pois, se vc acha isso tudo do seu coração, não queira conhecer os que eu conheço.
Dani, têm pessoas que ném se quer possui um coração...


Beijão amiga!

Lelê